22 março 2008

páscoa

Hoje vou dar uma grande (e mórbida) volta até chegar ao título do post. Só para avisar.

Para alguém como eu que, felizmente, não tem vivido a perda de muitas pessoas queridas, a morte ainda não é uma certeza. Isto é ridículo, mas ainda não acredito muito na minha própria finitude. Contudo, vou acreditando cada vez mais quando reconheço que já não sou jovem. E isso percebe-se quando os jogadores de futebol e as top-models são todos mais novos que eu. Quando as figuras públicas começam a ser da minha idade. Quando toda a gente me trata por "senhora" apesar de me vestir de forma bastante informal. Quando penso que me visto de forma "jovem" e depois reconheço que já vou a léguas da moda. Quando ouço músicas dos "meus" anos 80 e sinto tantas saudades dos intervalos das aulas do liceu, das pastilhas elásticas, dos disparates, dos sonhos da adolescência.

Mas tudo isto é uma nostalgia doce e não me importo de já ser "crescida" e de ir começando a envelhecer. Porque sou imortal. Tenho um filho que, se Deus quiser, irá levar um pouco de mim ao mundo quando eu já cá não estiver. Mas, acima de tudo - e agora, sim, chegámos à Páscoa - acredito que a morte não será o meu fim porque há Alguém que me ama tanto que se entregou por mim, e por todos, para que eu viva para sempre.

Boa Páscoa para todos :)

2 comentários:

Sonia&Mi disse...

Páscoa Feliz!

Mariana disse...

:D K boa perspectiva essa da imortalidade através dos filhos...