24 janeiro 2011

decisões

Janeiro e' tempo de decisões para o próximo ano lectivo. Decisões difíceis. Desde que sou mãe sinto que estou limitada a escolhas extremamente altruístas ou extremamente egoístas. O estigma do egoísmo tem-me feito sempre escolher pela familia em primeiro lugar. Será que a mãe tem mesmo de vir sempre em ultimo? Não me parece que haja nenhuma medalha ao cortar a meta, só uma consciencia menos pesada...
Estou cansada. E custa saber que, seja qual for a decisão, vai envolver sofrimento.

6 comentários:

Marta disse...

Como te entendo, Gralha!!!!
Também eu, desde que sou mãe, me tenho deparado com essas escolhas difíceis...a próxima espera por mim já em Julho!

Um beijinho muito solidário
Marta

Rita disse...

Parece que estamos em sintonia.

Arre... vidinhas difíceis estas!!!!

Costinhas disse...

não tem nada de vir em último e para mim, quando nós damos esse passo, nem se percebe afinal se há alguma ordem ou se é apenas coisa da nossa cabeça.

Toca a tomar a decisão!

Vera Dias António disse...

Isto da mãe deixar de ser mulher ou mesmo ser humano é uma grande treta. Em nós cabem todos os M e mais algum, não tem que ser mãe acima de tudo. Claro que somos boas mães mesmo quando pensamos um bocadinho em nós...
Tenho para mim que é por causa dessa ideia e, de, interiormente as mulheres se sujeitarem e não concordarem, que muitas mulheres n
ao conseguem fazer nada com o peso em demasia depois de ter filhos.
O cúmulo é o que li outro dia num blog em que uma mãe, que contava o seu processo de emagrecimento e reconquista do seu corpo um dia contou de 2 vezes que um dis filhos se magoou e alguém comentou que a culpa era dela que estava mais preocupada consigo do que com os filhos. puta que pariu esta gente-inha.
Posto isto, não sei o que é estar na tua vida, sabes que a minha é muito mais calma (como ter 2 dos miudos doentes e estar a trabalhar porque podem ficar com a minha sogra... ) e não posso nem vou opinar. É que não saberia o que dizer!

A mãe que capotou disse...

Que treta e é mesmo assim, mesmo que nos convençamos e que toda a gente à nossa volta esteja de acordo e optemos pela decisão "egoista" vai sempre haver uma porcaria de uma febre de vai durar mais tempo que nos vai colocar a porcaria (ainda maior) da culpa na cabeça. Gosto de pensar que com a tempo a coisa estabiliza e a maturidade nos deixe decidir sem medos e que no entretanto sejaemos felizes, com todos os Ms em equilibrio.

Sara MM disse...

para ser o melhor para os filhos, tb tem de ser o melhor pra nós!! Vê o que arranjei pensado que basta o melhor para os filhos....

melhor sorte para ti! vocês!

BJss e força!