30 junho 2009

a sério que eu queria ser dócil e boazinha

Gostava tanto de ter nascido uma daquelas criaturas que espalham a paz e o bem-estar à sua volta! Mas não, nasci assim: bruta, torta, refilona. A culpa não é minha, se for de alguém, é dos meus pais. Mas eu gostava tanto de ser boazinha. Gostava de ir no trânsito e não desejar que alguns condutores fossem empalados. Gostava de atender pessoas extremamente burras e não estar a bufar por dentro. Gostava, sobretudo, de tratar muito melhor as pessoas de quem gosto e que têm a bondade de me tratar bem a mim. Às vezes, consigo. Mas muitas vezes é mais forte do que eu. E é pena. Devia haver comprimidos para isto. Será que uma lobotomia funciona?

4 comentários:

Ana disse...

Ai o transito... e as pessoas burras... lobotomia... talvez resultasse... não sei é se depois não irritaria uma pessoa que me atendesse... a bufar por dentro.

Inesa disse...

E que piada terias se fosses dócil e boazinha?
Corrijo, que piada terias se fosses ainda mais dócil e boazinha?!
Melher... tu és dos mais controlado que conheço! Tu nem nunca dizes mais de 5 asneiras num dia. Num dia mauuuuuu...

Vera disse...

eu também gostava e quando soube da minha recente gravidez o meu 1.º pensamento foi: "tenho que ser uma pessoa melhor" mas não é grávida que o vou conseguir... tanto nervo, tanto stress, tanto não me toquem, tanto enjoo, estou do pior, portanto... Um dia, um dia chego lá! LOL

disse...

Querias mesmo um viada como a da Madre Teresa de Calcutá?

Não me parece...

Acho que és feliz sendo assim. Continua a ser refilona e aproveita bem os dias em que és boazinha.

P.S.- Lobotomia só serve para substituir o álcool e respectivas bebedeiras, i.e., só retira a memória/regras/socialização do passado.