02 setembro 2013

inspiração

Uma das coisas que me dão mais gozo, como mãe, é inspirar os meus filhos. Fazer alguma coisa que os leva a parar e deixar a imaginação ganhar asas. Isso pode ser o filme caseiro das férias na praia, que lhes dá vontade de pegar na câmara e começar a filmar todos os fait divers. Ou uma estória, que serve de mote a uma brincadeira dali a uns tempos. Ou, como hoje, uma visita à Estufa Fria, na sequência da qual chegaram a casa e pediram papel, pinceis e aguarelas para plasmar folhas, grutas e pedras que andaram a descobrir umas horas antes. Não tenho pretenções artísticas mas acho que abrir horizontes e provocar os sentidos é uma das maiores dádivas que podemos dedicar a alguém. Esta parte de ser mãe é um privilégio gigantesco e sei apreciá-la pela raridade que é. Porque também sei que isto acontece porque consigo aquele frágil e precioso equilíbrio do tempo passado longe deles e do tempo com eles.
Sei que não há receitas para isto mas eis como a coisa resulta sinfonicamente connosco: um tempo para eu ser só eu e um tempo para ser mãe deles de todo o coração. Se tivesse optado por uma "carreira" ia sentir-me permanentemente culpada pelas ausências regulares, por não acompanhar o trivial mas tão importante na soma dos dias; se tivesse decidido entregar-me à maternidade 24/7, iria deixar-me afundar no cheiro da sopa, na roupa por dobrar, nas solicitações constantes, e não teria a capacidade de me dar por inteiro a estes momentos que partilhamos. A verdade é que não me é fácil sorrir perante uma mesa pintalgada, um quarto em pantanas, quando isso é a realidade diária e não a feliz excepção deste doce fim de férias. Cada mãe tem o seu equilíbrio (ou merece encontrá-lo...), este é o meu.

7 comentários:

Ana. disse...

Eu acho que este equilíbrio de que falas é vital mesmo para quem não tem crianças! Há alturas em que só trabalho, esqueço-me do resto do mundo, e não duro 2 semanas sem dar o berro!
Pudera eu ter sempre esta tua maravilhosa clarividência!
:)

Melissinha disse...

Isso! :) Espaço e tempo para tudo, para que nada falte a ninguém.

Melissinha disse...

(Tenho de ir à estufa fria).

Julieta disse...

...entendo-te :)

(ainda ando à procura do meu equilibrio...daquele que me faz a mim sentir bem, mas quanto a eles tento, sempre, dar-lhes asas para coarem!)

dona da mota disse...

Esse equilíbrio foi sempre o nosso mote. Entre nós, entre eles, entre eles e nós. E quando conseguimos - não há, de facto, uma fórmula, há uns dias bons, outros que nem por isso - mas quando conseguimos estar em paz, é muuuiiiitoooo bom!

anf disse...

Bem este texto não é para todos, sinto que me falta crescer muito como mãe,
Posso levar o texto, devidamente identificado?

Obrigado

gralha disse...

À vontade, anf :)