10 outubro 2011

serviço público/ publicidade gratuita

Quem tem filhos que não comem está habituado a ouvir a célebre frase "quando ele tiver fome logo come". Isso até pode ser verdade para crianças que não comem porque não gostam/não estão habituados a experimentar novos alimentos, para os que estão em fases de desenvolvimento e adaptação específicas, ou para os que estão doentes. Mas há quem não reconheça que, tal como há adultos com muito ou pouco apetite (como eu), também há crianças que, pura e simplesmente, não têm fome. Nos adultos, isso ajuda-os a caber num XS; numa criança, pode ter consequências do ponto de vista da resistência a doenças e mesmo do crescimento (já para não falar do ambiente familiar às refeições...).
Posto isto, sinto-me no dever de partilhar a (re)descoberta do estimulante de apetite que o Diogo começou a tomar há cerca de 3 semanas, o mesmo que a minha Mãe me deu em pequenina. Se ele anda a comer como um abade? Não. Anda a comer um pouco de tudo, a todas as refeições, com equilíbrio. Meia dúzia de passas ou meia banana já não são um jantar típico. Neste período, já ganhou cerca de um quilo, anda muito mais bem disposto, dorme melhor, em suma: o paraíso. E não houve um único pediatra que me falasse nisto (ainda que a toma, agora, esteja a ser acompanhada por pediatra).
Chama-se Viternum, à venda na sua farmácia.

9 comentários:

Rita disse...

Felizmente nunca passei por essa angustia. Acredito mesmo que deve ser uma angustia.

Cá por casa a questão até é o oposto!

Como diz o Paulo: "saía mais barato alimentar burros a pão de ló" :))))

Ainda bem que descobriste a solução!

Melissinha disse...

Providenciarei. Eu sou daquelas que não me stresso com a falta de apetite dele - só porque o resultado final da refeição é igual, com ou sem stresse - mas um pouco mais de apetite não lhe ficaria mesmo nada mal.

Ei, e o anti-viternum? Hein? Qual é?

gralha disse...

Melissa, o stress é um bocado secundário. A questão é: tende a manter os percentis ou anda a emagrecer e a crescer menos ao longo de um período alargado de tempo? É que o meu, sim.
O anti-viternum são as drogas todas do Tallon & Ca., obviamente. Já inventaram, não significa é que faça bem à saúde...

triss disse...

A minha acho que não se enquadra nesse perfil, porque está numa fase de adaptação, visto ter 8 meses (se bem que passou da fase de devorar a sopa, para abrir a boquinha tipo passarinho, até fechar). Suponho que devo ter paciência e não desesperar...
:-/

gralha disse...

Antes de desatem a comprar isto a eito: não é suposto ser para crianças com idade inferior a dois anos. Para o Diogo, a dosagem foi ajustada.

gralha disse...

Pois triss, ela ainda é muito pequenina para esta opção. Mas pode ser que seja mesmo só uma fase e que as coisas melhorem daqui a uns tempos.

Melissinha disse...

Não, o meu está no percentil 5-10 desde que nasceu, não baixa nem sobe. O do teu tem baixado, então. Aí é um stresse, mas dos outros, mesmo.

Claudia Borralho disse...

Com o nosso gabriel a pediatra (ainda) não se preocupa. Ele na escola como quase sempre bem e em casa quando lhe dá uma fase de não comer nadica ao jantar começo a dar-lhe ceregumil e a coisa começa a ir ao sitio (vai ganhando apetite).
Eu também já era assim e confesso que é difícil explicar isto aos outros, porque não é simplesmente uma questão de birra com certos alimentos é mesmo falta de fome. Se não sente fome e a comida não agrada assim tanto, não come. É isso. E lembro-me perfeitamente que eu resistia muitissimo a comer por isso mesmo, eu não sentia fome, se ainda por cima não me agradasse então não comia de todo.
Dos 8 aos 24M o gabriel não tinha percentil, aos 2 e meio tinha 25, aos 3 tinha 10 e aos 4 percentil 5. Como tal eu preocupo-me. E vou experimentar essa coisa, vou vou. (se bem que comigo tb experimentaram umas coisas de aumento de apetite e nadica, continuei sempre na mesma)

Vera Dias António disse...

Os meus 3 filhos foram bebés percentil 90, ajustaram agora ao 50 e está-se bem, se bem que já tenham comido melhor...

Ainda bem que há esses produtos em substituição do óleo de fígado de bacalhau, que a minha avó obrigava a minha mãe a tomar em pequena, era tão magrinha, e que a traumatizou para sempre, LOL!