30 julho 2014

bom demais para não ser partilhado

Sabem aquela sensação que temos quando estamos apaixonados, não conseguimos parar de pensar nisso e precisamos de falar a todos do nosso amor? Eu evito vir para aqui evangelizar-vos até à náusea com a conversa das corridas mas o pessoal lá em casa não tem tanta sorte. Já devem estar um bocado fartos do meu olhar esgazeado quando chego a casa de madrugada, de pernas arranhadas e ténis meio espatifados de trepar trilhos empedrados.
Só há uma solução: convertê-los. É por isso com grande excitação que vos informo que (rufar de tambores…) vou correr a minha primeira mini-maratona!
É verdade, quase um ano depois da primeira maratona, e na semana em que bati os meus recordes dos 10 quilómetros e da meia-maratona, decidi que estava na altura de sonhar com vôos mais altos e arrastar as crianças comigo para uma prova (um vai de carrinho, será que também tem direito a medalha?). Não se preocupem, enquanto eu própria não estiver mais à vontade nas corridas de montanha, não tenciono tentar bater o recorde de idade na subida ao Monte Branco.

5 comentários:

Mãe Sabichona disse...

Também quero! Ando a iniciar-me na passadeira, aqui ao pé de casa é tudo aos altos e baixos e ainda não tive coragem... mas já dá para perceber essa sensação de liberdade e prazer, ainda que com dor misturada.

D.S. disse...

Assim é que é, de pequenino é que se torce o pepino! Boa sorte para os pequenos :)

Inesa disse...

Um dia vou ser como tu. Juro!

gralha disse...

Não dói nada, Mãe Sabichona. É tudo em bom.

D.S., e para o ano arrasto-os de bicicleta até ao Algarve :P

Inesa, um dia também vou ser como tu (menos a parte da desarrumação, desculpa lá mas não abdico da minha OCDzinha)

dona da mota disse...

:) para ti/vós!
Mas eu estou com a Inesa, ahahahaahh