29 outubro 2014

os diabretes dele

A modesta audiência deste blogue também é constituída por pessoas sem filhos. É gente de extremo bom gosto, claro, que concilia bons princípios e sentido de humor, evitando tecer julgamentos apressados sobre os outros. Por isso nunca arranjei problemas por aqui, independentemente dos temas sobre os quais me apeteça dizer umas baboseiras. Por isso e porque há uma realidade incómoda que disfarço: que os filhos do meu marido são uns diabretes. De cada vez que um médico, uma professora, um merceeiro, uma tia, ou um paroquiano lhes faz uma festa na cabeça e elogia o bom comportamento, o meu marido pensa que eles são uns sabidões, mestres do disfarce. É normal e socialmente aceitável que dois rapazes se portem mal, os outros é que os apanham sempre num momento feliz. Asseguro-vos que todas as ameaças de os enviarmos para outros pais são prontamente rebatidas, não lhes batemos, e a cadeira do castigo bem que podia ser mais utilizada. Eles fazem disparates todos os dias e errar é o mano - pelo menos é o que eles acham, visto passarem a vida a fazer queixinhas um do outro. Eles lá continuam a brincar alegremente até à próxima zaragata. À mesa, é comum o choro e o ranger de dentes, mas comemos sempre juntos. Contamos a parte preferida e a parte mal preferida do dia. Eles retorcem os individuais e sofrem de amnésia repetida em relação às opções de fruta. Acordam cedo demais e vêm perturbar a paz da senhora sua mãe, enquanto tenta fazer yoga. Embicam com os brinquedos mais barulhentos e insuportáveis, desarrumam o quarto e deixam tudo perdido na escola. Tenho de reconhecer que não é uma situação propriamente insuportável mas não é muito popular. E eu preferia manter a fachada de que somos uma família perfeita.

10 comentários:

Carla R. disse...

Ahahahahahaha !

Naná disse...

Onde é que eu já vi este cenário???!!!!

gralha disse...

Eu também acho piada, Carla R. O pai é que não parece ter tanto sentido de humor.

Naná, tens uma câmara oculta em minha casa???!!!

Mãe Sabichona disse...

Quando digo que o meu filho é um rapazinho fácil, pergunto-me se sou eu que não tenho sido muito dificil :)

Quando me encontrares disse...

:D

LG disse...

Pois pois. Os pais é que são sempre os maus da fita. É muito injusto.

gralha disse...

Mau da fita? Mesmo assim ainda foi uma versão muito cor-de-rosa da tua perspectiva :P

gralha disse...

Duvido muito, Mãe Sabichona.

Amigo Imaginário disse...

Hummm... continuam a parecer-me uns anjos, seja sob que perspectiva for. :)

gralha disse...

A mim também, Amigo Imaginário :)