17 março 2009

o meu pé esquerdo

Está todo desgraçado. Mais concretamente, o tornozelo. Ia eu ontem a entrar para o carro e, de repente, o espaço entre o passeio e a estrada traíu a minha esbelta pata de ave.
A parte mais chata é que conduzir obriga-me a um esgar pouco simpático cada vez que tenho de meter uma mudança (acho que vou andar sempre em primeira nos próximos tempos). A parte mais gira é que consegui superar-me no que diz respeito a figuras tristes no caminho para o trabalho: até aqui, ia sempre literalmente a correr (é o que dá morar mesmo ao lado do emprego); agora, vou ao pé coxinho. E, sim, é muito engraçado ver alguém muito descansadamente a andar ao pé coxinho nas movimentadas ruas de Lisboa. Esse alguém sou eu.

Não, Inesa, não me preocupo com a figura ridícula que faço. É que, a mim, também me dá vontade de rir.

2 comentários:

Vera disse...

Este título só me faz lembrar que tenho 6 filmes em casa para ver, incluindo esse. Não há tempo... Pior do que isso só mesmo andar ao pé coxinho em Lisboa, LOL!

Beijocas e que fiques boa a correr (portanto, piadas básicas à semelhança de como me sinto hoje)!

Inesa disse...

Xiii, até tive direito a recadinho!!!
Achas que a mim, a Miss Figuras Tristes, não me dá vontade de rir das minhas quedas??? Só mesmo quando a dor é muito forte!
Já para não falar do ridículo que é pôr o bracito em frente ao comboio a pedir que pare! Oh God... tenho com cada uma!
Mas gostava muito de ver a tua prova de 50m pé coxinho!