07 janeiro 2013

epiglote

Resolução de ano novo que só chegou com os Sábios do Oriente: calar a boca. Em vez de dizer tudo, calar-me. Fechar a matraca. Não emitir julgamentos, opiniões, teorias, previsões, e reduzir em muito a frequência e pilosidade dos palavrões. Já chega de andar por este mundo como se fosse um tanque de guerra no meio de uma reserva de bambis. A única dificuldade é que também tinha mais ou menos decidido, na pressa das doze badaladas, que ia engolir menos sapos, descontrair e deixar as secas para o bacalhau. Não estou bem a ver como vou equilibrar as coisas. Sobretudo, não sei como vou conseguir suster as palavras torrenciais à boca da garganta, sem fazer mal aos outros nem começar para aqui a cozinhar úlceras e efervescências mal resolvidas.

9 comentários:

Carla R. disse...

Se não te engasgaste com as passas, também não vai ser este detalhe que te vai fazer mossa. Diz tudo o que tens a dizer, mas com jeitinho. Muito dificil, mas acredito que o equilibrio seja por ai. Não cales o conteudo, muda o tom. Evita o que vai entre o amarelo e o vermelho e vais ver que fazes boa figura.

Naná disse...

Ora pois que chegaste ao meu eterno dilema que me acompanha há mais de um ano... os palavrões comecei a dizê-los para mim mesma... continua a ter efeito libertador, mas não tanto.

Melissinha disse...

Em meio de bambis não, filha.

Ana. disse...

Oh deus, isto podia ter sido escrito por mim! Há anos que tento levar esta intenção a cabo...
Não tenho sido muito bem sucedida, excepção feita à questão das secas e fretes, que consegui contornar benzinho! de resto: work in progress!
Boa sorte!
;)

ouvirdizer disse...

Já por aqui vai-se em sentido inverso: engolir menos sapos e responder sem pensar, a frio, dê por onde der, doa a quem doer.
É que se me está a formar um corcunda e sou muito nova para isto...
Ainda assim, de 2 ou 3 que levo com força, essa não e uma das minhas grandes resoluções de ano novo... Um dia... ou ano, chego lá...

Melissinha disse...

Eu também preciso de mais assertividade, mas acho mais fácil os porcos voarem.

triss disse...

ah, o equilíbrio...(suspiro)

Sempre é melhor não calares a matraca, não engulas sapos que te fazem mal.

gralha disse...

Carla R., não consigo dizer nada com jeitinho, nada. Sou um boi.
Naná, os palavrões só os digo no trânsito mas mesmo assim acho que toda aquela má energia só volta para mim.
Melissinha, pois. E bambis tão fofinhos que tenho à minha volta.
Ana, quem já encontrou o equilíbrio entre a assertividade e a doçura que ponha o dedo no ar.
Vera, tu és a Santa Protectora dos Bambis, nem penses que algum dia vais responder sem pensar, a frio, e magoar alguém - mas espero que a corcunda não se desenvolva, que não fica nada bem com o teu novo look.
Triss, tenho de fechar, tenho de fechar, é urgente.

calita disse...

Por essa e por outras e que não me meto nisso. Os bambis que fujam da frente, ora essa!