26 abril 2012

a minha rede social

Diz-me com quem te dás virtualmente, dir-te-ei quem és actualmente. Será? É claro que nem todos os nossos verdadeiros amigos estão no facebook. Além disso, não sabemos coisas básicas acerca de alguns dos que lá estão. E, pelo menos no meu caso, apesar das limpezas ocasionais, ainda há para lá gente de quem não sei nada há muito tempo. Já para não falar dos 8% que adicionei sem nunca lhes ter posto a vista em cima. Mesmo assim, dá para ter uma ideia engraçada daqueles que me rodeiam.
Dos meus amigos facebookianos, há dois terços de mulheres para um terço de homens. Metade são sensivelmente da minha faixa etária, 14,5% são mais novos e 35,5% mais velhos. Há gente com toda a espécie de profissões, com maior representação de sociólogos, técnicos, engenheiros, juristas/advogados e gestores - mas quem havia de dizer que 2% são marinheiros? Quase dois terços são profissionais qualificados e há mesmo 12,5% de empresários ou quadros superiores de empresas (e eu a pensar que só me dava com pelintras). Contudo, que eu saiba, há 3,3% de desempregados. No que toca às origens, 84% são portugueses (dos estrangeiros mais representados, 5,3% são americanos e 3,3% são italianos) mas apenas 73% vivem em Portugal. Pelo menos 38,2% são católicos, 15,1% assumem-se como agnósticos/ateus e 1,3% são protestantes. E nota-se que é tudo um bocado coca-bichinhos: dois terços são licenciados, 18,4% mestres e 10,5% são cromos com doutoramento. Os solteiros são o dobro dos que vivem em união de facto (12%) mas os casados são os mais representados (37,5%). Mesmo assim, já há quase 5% de divorciados e 0,7% de viúvos. E há mais freiras do que recasados. Finalmente, um apontamento lúgubre: destes todos, se eu batesse a bota agora, não mais do que um quarto deles iriam ao meu funeral. Mas isso das fantasias funeralescas dava todo um outro post.

5 comentários:

Naná disse...

E aquele momento estranho em que te cruzas com um colega de escola do jardim de infância, que não vias há anos, mas amigaste no feicebuque e ficas sem saber se cumprimentas ou não, e vai daí cumprimentas e não recebes o cumprimento em troca???!!

gralha disse...

Naná, eis a minha receita para as hesitações do cumprimenta-não cumprimenta (conheço? não conheço? reconhece-me? não me reconhece?): Faço um lindo sorriso. Um sorriso nunca cai mal. Se eles quiserem, cumprimentam-nos; se não, não vem daí mal nenhum ao mundo.

ouvirdizer disse...

Bem, entrando nas maiorias das estatísticas, fico-me pela segunda linha do post, a dos amigos não-facebookianos. É que não consigo achar piada aquilo, pá. Não me entra. Talvez o problema seja o facto de ter pessoas à volta que só lá vão saber das vidas alheias... e para isso já me basta viver numa terra pequena! :)
Beijos!

Costinhas disse...

tu fizeste mesmo essas contas todas? mas mais importante, eu sou tua amiga no fb?! :p

(queres o link do tal sítio?)

gralha disse...

Costinhas, fiz as contas, sim. Não te contabilizei porque só tenho a tua página profissional (acho eu). Agradeço muito que envies o link, sim (também pode ser por email).