25 abril 2012

o vinte cinco d'abril às criancinhas

Filho: Mamã, por que é que hoje é feriado?
Mãe: Porque há muito tempo atrás, neste dia, as pessoas vieram todas para a rua para mudar as coisas, para impedir que mandassem nelas sem que elas pudessem decidir nada, nem dizer nada. Mas, para dizer a verdade, não sei por que é que ainda comemoramos isso todos os anos.
Filho: Porquê?
Mãe: É um bocadinho como se estivessemos sempre, sempre, sempre a descarregar o autoclismo depois de fazermos um grande cocó, a seguir a uma temporada de prisão de ventre.
Filho: Mas isso não se faz, gasta muita água.
Mãe: Pois, aí é que está: cada um é livre de gastar a água que quiser.

(conversa hipotética)

10 comentários:

G&Tec disse...

Comemorar o natal é um bocadinho como se estivessemos sempre, sempre, sempre a descarregar o autoclismo depois de fazermos um grande cocó, a seguir a uma temporada de prisão de ventre.

Jesus não foi um revolucionario, que veio dizer que as pessoas eram todas iguais num tempo em que a escravatura e a desigualdade imperava?

Não te vejo a queixares-te todos os anos da comemoração do Natal...

O 25 de Abril tem que ser comemorado, porque faz parte da nossa história. Tal como o natal.

gralha disse...

Eu comemoro o Natal porque é o aniversário de uma Pessoa importante para mim. Mas estás à vontade para não o comemorar, já que a ti não te diz nada. E lamento se toda a decoração e publicidade natalícia te incomodam - a mim também.

G&Tec disse...

Eu comemoro ambos pela mesma razão.

gralha disse...

Não estou a ver comemoração nenhuma (se não contarmos com os 10 segundos de Grândola Vila Morena que me obrigaste a ouvir). Aproveita e explica tu às criancinhas o que é o 25 de Abril, eu prefiro explicar-lhes o Natal.

gralha disse...

E já agora, caro marido, como sabes, não sou contra o 25 de Abril. Sinto-me grata pelo 25 de Abril. O que me aborrece nas comemorações do 25 de Abril é como costumam ser tomadas como propriedade da extrema-esquerda. E a revolução foi de todos os que queriam democracia (como eu).

Melissinha disse...

hahaahha ó pá, desculpem lá, mas vi isto. Gosto do marido, gralha. Gosto mesmo do marido. Olá, marido!

Ana C. disse...

Esperem lá, eu estou confusa. O cocó é o Estado Novo e o 25 de Abril foi o puxar o autoclismo?
Olha que uma ditadura ainda é um grande troço, 38 descargas não chegam para a levar pelo cano :)

gralha disse...

Cê (e demais intrigados): o 25 de Abril não foi nem cocó nem autoclismo, foi evacuação muito necessária e urgente de uma grande quantidade de fezes acumulada ao longo de 41 anos. Eu embirro só com as mesmas imagens, os mesmos discursos, os mesmos aproveitamentos políticos e as mesmas músicas todo o santo ano. Só isso.

Ana disse...

Got it!

Ana C. disse...

Aquela Ana lá em cima, sou eu :)