14 setembro 2012

insurreição

Filho: "Mas o dinheiro dos velhinhos não tiram, pois não?"
Mãe: "Tiram."
Filho: "Mesmo o da Bisa?"
Mãe: "Sim."
Filho: "E o meu...?"
Mãe: "Não te preocupes, eu não deixo ninguém mexer no teu mealheiro."

Esqueçam lá isso das aflições parentais para explicar o sexo, as drogas, a morte, a possibilidade de vida alienígena. Difícil, difícil é explicar o conceito de dívida externa e a razão por que se chega a um ponto em que alto e para o baile! ao cumprimento cego de regras. Mas é isso mesmo que quero transmitir, mais do que a moralidade e o civismo: que fomos dotados de cabeça para pensar, coração para sentir e braços e pernas para agir.

3 comentários:

InêsN disse...

Por aqui também é um tema que gera muitas questões...

Naná disse...

Eu ralho com os políticos enquanto vejo as notícias. O meu filho só percebe que eu "estou zangada com os sínhores..."


Acho que estás certa, há que saber transmitir que há saber formar uma opinião, por si mesmo!

Melissinha disse...

É a melhor lição a deixar, a que me foi passada pelo meu pai também - a de que somos responsáveis pelo país em que vivemos.