19 novembro 2013

um caso crónico de mãezite aguda

Fizemos tudo de acordo com os manuais. Partilhámos tarefas e colos, abolimos estigmas de género, incluímos avós, tios, amigos, animais de estimação. E tentamos, pai e mãe, estar presentes nos bons e nos maus momentos. Mas a verdade é que os nossos filhos só querem a mãe, deixando o pobre pai sempre no banco dos suplentes. Pobre, uma ova, que só eu sei o que é não conseguir ir à casa de banho sem companhia, ser chamada para todos os grandes e pequenos serviços, ser a fonte de todas as consolações e, sobretudo, ter de ouvir milhares de vezes ao dia um mamãããã balido a duas vozes. Esta mamã adora os seus ricos filhinhos mas gostava de saber quando é que vai conseguir passar uns momentos de sossego sem ser o centro do filhuniverso. Alguém sabe como se cura esta maleita? E, não, não é com uma temporada longe deles - basta ir levar o lixo sem avisar e há logo lágrimas e efeito vácuo no regresso. Ainda me vão deixando vir trabalhar mas temo que, qualquer dia, tenha de arranjar duas cadeiras em miniatura para ficarem a fazer-me perguntas e a dizerem que querem beber sumo de mamã [sic] enquanto faço revisão de textos.

Agora é aquela parte em que me caem em cima, que sou uma ingrata e vou ter saudades quando tiverem buço e estiverem no auge da parvoeira.Vocês sabem lá.


[Imagem copiada de um tumblr fenomenal sugerido pela encantadora Carla R., sempre ao serviço das mães capotadas]

11 comentários:

dona da mota disse...

Acho que precisam de mais um irmão. Deve ser isso! :)

D.S. disse...

Hehe, eu de experiência não posso falar mas no outro dia tive uma conversa muito interessante com uma mãe de três. Dizia ela que o filho mais novo, de 2 anos, estava agora numa fase de mãezite aguda e que a filha mais velha (8 anos), que também já tinha passado por isso, agora só via pai à frente. O que estava a deixar a mãe um bocadinho ciumenta... Por isso é capaz de ser fases, é. Boa sorte!

Maria Bê disse...

Ai gralha, como te invejo... a minha filha parece saída de um capítulo do Freud, é só gosto muito do papá, onde está o papá, o papá já veio?... O pequeno selvagem, para quem ainda vou sendo o sol, assim que vê o pai esgoela-se para ir para o colo dele. Sou uma desinfeliz que também não consegue ir à casa-de-banho sozinha mas nem assim sou o centro do mundo. O gajo deve cheirar a caramelo, é que só pode!
Sorriso!

Helena disse...

Sei como isso é. Eu costumo dizer-lhes, enquanto aponto para o Pai deles:"Sabem quem é aquele senhor que ali está? Ele também sabe responder a perguntas, ajudar a calçar etc". Mas não funciona... E os meus são 3. O mais novo, de 4 anos, passou a meia-hora desta manhã antes de ir para a escola, exactamente como o coala da foto e com os olhinhos do gato do Shrek. Haja paciência...

gralha disse...

Obrigada pela compreensão, Helena. Será do perfume que usamos?
Maria Bê, dá para perceber que não tenho filhas, não é? ;)
D.S., eu também estou a torcer para que seja uma fase, mas já dura há 6 anos e meio...
Tem juízo, motoqueira!

Naná disse...

O meu não sofre só de mãezite aguda, como também precisa de mim sentada ao lado dele enquanto ele fica vidrado a ver desenhos animados.

Ele não me liga nenhuma, mas se me levanto para ir à minha vida, temos logo sarilho.

Carla R. disse...

:)

Carla R. disse...

:)

Carla R. disse...

:)

calita disse...

Não deverá, neste caso, ser o pai a questionar-se?

gralha disse...

Calita, o pai chora lágrimas de crocodilo e vai aproveitando para brincar com o iPad.