10 abril 2010

american life

Vivo nos EUA há mais de 6 meses. Ainda não é muito mas, de certa forma, parece uma eternidade. De qualquer forma "o gralhar está ao alcance de todos", pelo que já me sinto capacitada a dizer o que acho da vida aqui e dos seus habitantes.
Já reconheci que há muitas coisas boas aqui. Este é o país de eleição para quem viveu uma infância de penúria a olhar para as lojas de doces (e brinquedos, e carros, e electrodomésticos...) e nunca pôde entrar. Aqui, qualquer um se pode sentir rei. Mas eu, felizmente, não cresci na penúria e a componente material nunca foi muito atractiva. O que acho dos americanos? Primeiro, são muitos e muito diferentes. Mas o ideal americano é, sem dúvida, individualista, consumista e fixado no conceito de sucesso, um sucesso medido pelo rendimento anual. Esses são os traços que mais me desagradam nesta cultura. Em contrapartida, agradam-me muito outras coisas. Adoro a falta de formalismos excessivos e deverências desnecessárias. Adoro que todos se tratem pelo primeiro nome. É muito bom também o sentido prático e a eficiência que imperam em todo o lado. E sabe bem viver no meio de gente que não anda sempre de trombas, como a maioria dos portugueses. Pode ser muitas vezes uma alegria ingénua ou até fabricada, mas sabe bem ver sorrisos e bom humor. E eu, estou mais americana e menos portuguesa? Gosto de acreditar que estou um bocadinho mais simpática, mas o bicho europeu, velho, desconfiado, dado a dramatismos, nunca vai deixar de fazer parte de mim.

2 comentários:

Ana C. disse...

Olha afinal escreveste sobre qualquer coisa que não filhos :)
Gostei da tua visão imparcial desse país.

Rita Baguinhos disse...

Nunca aí estive, mas o Paulo vai muitas vezes e já chegou a viver aí um ano e meio e tem a mesmo opinião que tu.

E agora algo que não tem nada a ver: não queres colocar no teu blog a opção de Seguidores? É que seria mais facil seguir o que vais escrevendo...

Beijocas