16 abril 2010

uma questão de individualidade

Estou mesmo a ver que hoje toda a gente vai discordar de mim, mas esta é mesmo a minha opinião. Falo do hábito de, quando há vários filhos, ao oferecer-se uma coisa a um, ter de se oferecer também ao outro. De preferência, do mesmo valor. Sou contra.
Se é o aniversário de alguém, por que é que o outro também há de receber alguma coisa? Também tem o seu aniversário noutro dia. Mais ainda, se passar numa loja e vir alguma coisa adequada para um dos meus filhos, não vou necessariamente à procura de algo para o outro para equilibrar a coisa, como se eles fossem os pratos de uma balança. Acho que isso faz parte da noção de indivíduo e também acho que é importante aprendermos a ver outros a ter e nós não. Se tivermos auto-confiança, sabemos que não é por falha nossa ou porque gostam menos de nós, é só porque não aconteceu assim. Foi sempre isso que senti em relação ao meu irmão. É que este hábito das partilhas obrigatoriamente igualitárias e simultâneas, do bom ou do mau, faz-me achar que os filhos não são seres únicos mas fatias de um mesmo bolo.
É como aqueles casais que, quando a mãe acorda para amamentar, o marido tem de estar acordado por solidariedade, mesmo que não esteja a fazer nada. Não consigo compreender como é que se sentem os dois melhor por isso. Eu prefiro ver o meu marido a dormir descansado e saber que, quando eu precisar, ele vai acordar e eu posso enfiar-me debaixo dos lençóis e fingir que estou noutro planeta.

5 comentários:

VDA disse...

"aqueles casais que, quando a mãe acorda para amamentar, o marido tem de estar acordado por solidariedade, mesmo que não esteja a fazer nada" - desculpa lá, isto existe?!!!!!!!!!!! LOLLLL
Quanto às prendas... bem, os meus filhos andam sempre vestidos de igual porque 80% da roupa é oferecida nos aniversários e quando as avós vão às compras e perdem a cabeça e é sempre igual. Eu, que odiava andar vestida igual à minha irmã, até gosto de os ver assim, LOL. Se bem que já as avisei que isto tem que mudar pois com a ida para a escola é chato. Eles é que são super diferentes, ou passavam por gémeos, que ainda assim passam pois o Ruca é tão grande que iguala a altura do Amadeu rápido, rápido!
Quanto às coisas que nós compramos para eles, depende. Ainda ontem comprei 4 pares de cuecas para o Ruca que esta semana decidiu, do nada, deixar a fralda, tão lindo e tem-se portado tão bem, e não comprei nada para os outros. Hoje comprei um pólo para o Lourenço e nada para os manos. Mas já ando a pensar que tenho que comprar alguma coisa ao Amadeu! Este teu texto sobre a individualidade é muito interessante e acredita que eu nunca tinha pensado nisto... tal é o hábito de dar sempre a todos. Tens tanta razão na questão da individualidade... tenho que começar a tratar mais dessa área... ainda por cima com 3...

Ana C. disse...

Concordo principalmente nos aniversários. Quanto ao resto penso que a nível global não se deve dar mais a um do que a outro, mas no dia a dia caramba, não faltava mais nada ver alguma coisa que gosto para um e ter que partir a cabeça à procura de uma coisa para outro.

R disse...

eu concordo contigo!
Bjss

Mãe da Tiz disse...

Pois eu, mesmo só tendo uma filha, partilho da tua opinião. Foi assim que os meus pais fizeram comigo e com o meu irmão... davam-nos quando precisávamos e não tinha que ser apenas porque o outro tb teve ;)

Beijos***

Ana disse...

Para os meus primos era assim, uma completa estupidez de "igualdade". A minha irmã precisou de botas ortopédicas e ginástica de correcção para a coluna, eu usei aparelho e a mais nova não precisou de nada desse tipo... sorte a dela!
Nunca foram feitas coisas pela "igualdade" excepto no que realmente interessava.
As roupas do post seguinte são LINDAS!!
Queria um tempinho livre para ir às compras...

beijos